24 junho 2016

Preciso Sumir

Às vezes fico pensando o que estou esperando para sumir, para juntar meus pedaços de coragem e deixar de ser somente uma paisagem bonita (pra alguns, retalhada) de se ver. Mas não aquela coragem que vem, de supetão, pela madrugada; aquela coragem que inspira, cria mundos e nos provoca apenas antes de dormir.E minha nossa, eu tenho essa coragem quase toda noite!!!
 Para ter coragem e voar pelos céus que se deseja, é necessário acordar com coragem e decisão; dormir com coragem e acordar sem ousadia é sempre uma injustiça com os nossos sonhos.
Acontece que esses dias percebi, dentro de mim, que eu precisava de um pouco mais do mundo nas minhas emoções, nas minhas vivências, nos meus dias, nas minhas LUTAS. Para os outros, coisa de gente louca, coisa de gente que está perdida no mundo. Para mim, coisa de gente que se preenche com experiências, sorrisos e cafés expressos. Sinceramente, eu cansei de viver na rotina de um amanhã com gosto de vinho azedo e mais do mesmo; cansei de ouvir regras de uma cidade que não me acolhe da forma que desejo; a verdade é que eu percebi que não há como ganhar o mundo sem perder o meu mundinho.

E o que seria ganhar o mundo? Diferente do que muitos pensam, ganhar o mundo não se resume a dinheiro ou a ir em festas que, de ano em ano, mudam de nome mas não mudam as pessoas. Para mim, ganhar o mundo, é ter admiração pelas minhas atitudes, pelos meus amores – sejam eles livros, países ou pessoas –, olhar no espelho e, sem receio, ter certeza que eu me enfrentei.
Ganhar o mundo é ganhar corações, experiências, histórias. Ganhar o mundo é perder muita coisa para um dia, quem sabe, valorizá-las. E sobre isso eu sei bem como é... perder para valorizar.
Viajar pelo mundo, fazer uma faculdade longe de casa, se enfrentar na cultura de quem não sabemos se gosta de brigadeiro e abraços, não é um sonho de final de semana, não é um dinheiro que se vê sobrando na conta corrente e, por sorte e tempo de sobra, nos faz decidir passar uma semana fora. Viajar, como uma linda mulher de cabelo curto, é um estado de espírito. É colocar o coração munido de amor na mochila e sair por aí deixando de escanteio o que os outros falam. Até porque, o que os outros falam, é só o que os outros falam… e eles sempre falam tanto….

Chega uma idade que, mesmo amando o nosso trabalho e a nossa família, a gente se questiona quem somos, o que construímos e para onde iremos. Perguntas que se parecem básicas. E por isso são tão complicadas. Qual o meu hobby? No que realmente eu sou boa? Qual o meu papel no mundo? O que eu quero daqui para frente? Será que a minha cura chegará? Até quando lutarei contra o Lúpus? E eu sou forte realmente?? Perguntas, vezes retóricas, vezes um poço sem fim. Se questionar, sem tomar uma atitude sobre as respostas, é acreditar numa coragem estável demais para ser chamada de coragem. E coragem, convenhamos, é coisa de gente grande.

Estou querendo sumir, essa é a verdade. E sumir, não é, nem de longe, se esconder do mundo ou das pessoas que me rodeiam. Não é fugir dos problemas, das obrigações ou das pessoas que me magoaram e por ali ficaram. Sumir é querer me encontrar num mundo que ainda não vivi. É tentar descobrir por que preciso de tantos pré-requisitos para ser “feliz”. É querer ser alegria, sem sentir dor, sem essa rotina horrorosa que tenho que cumprir,  mas porque estou sendo realmente feliz longe do senso comum, longe do que eles esperam de mim, longe do que todos queriam que eu fosse, e eu, felizmente, não fui.

Se eu tenho medo? Todo santo dia. 
Se eu acho que deveria ficar quieta por aqui, sem me questionar muito, pois largar a segurança é algo dolorido e amargo demais? Duas vezes, todo santo dia. Mas, todo dia, quando acordo, também me pergunto se a vida é só isso mesmo. E, felizmente, eu acho que não. Seja o que for, mas a vida não pode ser somente essa busca incessante por dias sem dor ou sem luta, mas sim dias coloridos como as borboletas que simbolizam a minha luta, e cá pra nós são belas e eu adoro!!!
... e eu vou sumir! 
Mas será um sumiço conhecido, porém só meu! Uma semana de paz, de reflexões, de dias com conteúdos. Vou fugir para me encontrar. É uma semana, mas para quem vive apenas para acordar lutar e dormir, meu próximos 9 dias serão sim de muito conteúdo!!! 
#VemCAPC #VemFloripa #VemPaz #FugirDissoTudo 
Tudo Posso Naquele Que Me Fortalece



Então meus seguidores, essa será minha última postagem antes de "sumir". Porém saibam que estou indo para um lugar que aprecio, amo, admiro e me faz bem. Desejo que todos um dia tenham essa coragem de fugir um pouco de tudo, até de nós mesmos! Confiem, acreditem. Só arriscando os nossos sonhos malucos é que saberemos se vale a pena! 
Um beijão e até a volta. 
Ana Paula Gewehr Heinze
Blogueira e dona da pág Aprendendo com o Lúpus-Por Ana Heinze

22 junho 2016

V-I-V-E-R !!! :D

Viver... Isso mesmo... Viver! 

Sei que muitas vezes essa palavra não nos é muito fácil de por em prática quando 

Vivemos com dor,  indiferenças, sofrimentos, angústias, e consequências da nossa 

doença. Mas Viver é preciso!!!

No mais amplo sentido que essa palavra consegue despertar.


Viver para colocar em prática nossos sonhos.


Viver para ver brotar as flores que outrora plantamos e com paciência semeamos.


Viver para ver nascer em nós a coragem do enfrentamento, os silêncios necessários e os berros que jamais devemos deixar entalados no peito. 

Viver e ser resiliente, independente e tantos 'entes' que pudermos fazer merecer.

Viver para voar, viver para ser livre, sem receios.

Viver para quebrar as barreiras que deixamos que nos impusessem...

Viver para ser e fazer felizes quem amamos. #MeuAmorJonas Que vive pra me fazer 

feliz também!




Viver para fazer nossa história valer a pena.


Viver para saber que somente existir não basta, e que nossa alma pode ser tudo, 

menos pequena!

20 junho 2016

O PIANO DA NOSSA VIDA!!

A vida é como um piano...
As teclas brancas representam felicidade.
E as pretas, tristeza.
Porém, enquanto estamos seguindo na jornada da vida, temos que nos lembrar de que as teclas pretas também fazem música.
É óbvio que todos queremos ser felizes. No fundo, é isso o que todos nós almejamos sempre!
Mesmo as pessoas quando questionadas sobre o que gostariam de ter e cujas respostas são diferentes de felicidade, como por exemplo, serem ricas , mais magras ou encontrar um grande amor; No fundo mesmo, o que todas elas desejam é ser feliz.
E comigo também não é diferente! No entanto, tenho aprendido que é impossível vivermos o tempo inteiro somente momentos felizes.
Muito cá entre nós, nunca vi nenhum surfista que ficasse o tempo inteiro na crista da onda.
No entanto , por não compreendermos o fluxo da vida, nos frustramos e nos tornamos pessoas infelizes .
E às vezes por motivos rasos: Porque temos um emprego chato, estamos acima do peso, nos sentimos sozinhos ...
Outras vezes por motivos mais consistentes como, por exemplo, ESTAR DOENTE.
É difícil sentir-se feliz quando se está lutando contra uma doença crônica grave. Mas posso afirmar sem demagogia, que consegui!
Na verdade, pode parecer loucura, mas eu sou sim feliz! Mesmo com tantos novos diagnósticos surgindo, dores, cansaços, corre corre; minha insatisfação e frustração com a vida diminuiu como um passe de mágica com o diagnóstico do Lúpus. 
Foi só a partir de então, que consegui enxergar com mais clareza, o que realmente era essencial .
O Lúpus me gerou coragem para abandonar todas as bagagens, tudo o que estava pesando e era apenas acessório.
E até mesmo em momentos tristes você pode extrair algo de bom, algum ensinamento e sentir-se grata por isso!
Aí então, você conseguirá superar momentos tristes e difíceis da sua vida, sem apagar a beleza que ela tem. Sem deixar que a infelicidade tome conta de você . Eu ainda tenho muito a aprender com tudo isso, com tudo de errado que me acontece... pela Ana estranha que aqui escreve, mas a felicidade é muito essencial para o nosso psicológico se manter ao menos estável. 


Essa semana será curta para mim e minha mãe. Devido às alterações dos meus exames e supostos novos diagnósticos minha agenda foi alterada em um mês. Na sexta-feira farei a minha 27° Infusão do Benlysta e no sábado de manhã viajo para Ribeirão da Ilha em Santa Catarina para na segunda dia 27 adentrar ao meu 'SPA' , MEU PEDACINHO DE CÉU- CAPC. Vou ter uma semana de atendimento voltado a mim, minha doença e as consequências que trago com ela. Lá, entro as 8h da manhã e passo o dia a receber um atendimento único e maravilhoso como reike, massagens, terapias com músicas e orações, lá eles entendem a minha dor sem me julgar, lá eu posso chorar aliviada e terei sempre ao meu lado um ombro amigo, lá serei tratada com amor, carinho, entendimento, paz, e o principal, nesse período das 8h da manhã até as 18h, eu me permito esquecer tudo o que me aflige aqui fora, principalmente o que tem por vir. Ficarei internada até sábado dia 02 de julho onde á noite retorno para minha cidade e reinicio as consultas, exames e decisões já na terça dia 5. 

Enfim, não temos uma vida perfeita. Meu tratamento é contínuo, os diagnósticos não param de surgir, minha vida não está nada fácil. Mas percebi que a felicidade é algo maior!
Acredite, você pode enxergar beleza mesmo em momentos de extrema dificuldade.

Vamos ser felizes?!! Veeemmm, aponta pra FÉ e REMA!!!!!!





15 junho 2016

Tudo muda (ou não)

São poucas as certezas de que temos na vida, se é que podemos dizer que existe alguma. Das coisas que já vivi sei apenas que tudo passa e dificilmente uma situação vai se repetir em nossas trajetórias. Sejam bons ou ruins, nossos momentos não acontecem duas vezes.

Pode ser que meses ou anos mais tarde estejamos diante dos mesmos personagens e cenários do passado. Mas garanto que o friozinho que vai percorrer ou não nossos corpos será totalmente diferente. Não são apenas as silhuetas e roupas que mudam, circunstâncias, sentimentos, olhares e sorrisos nunca se repetem. O coração sempre altera o compasso, assim como nós desviamos nosso rumo e evoluímos caindo, levantando, aprendendo.

A cada silêncio, cada palavra, cada conversa, as escolhas que tomamos definem o nosso futuro. Aquela frase que ficou entalada na garganta ou a que sai quase sem querer quando estamos nervosos, o ‘eu te amo’ que deixamos de dizer ou demonstrar, aquela agonia de saber que não tentamos todas as possibilidades, que já é tarde demais para consertar o que passou. São importantes e rápidos detalhes que não podemos voltar e viver novamente. Não da mesma forma.

De repente eu me pego medrosa, insegura, boba. Não tenho medo de mudanças, mas não quero que nada mude. Percebo que a vida que eu lutei tanto para transformar era exatamente a que eu queria ter. Aquele era o meu jeito de ser feliz.
Ao mesmo tempo em que penso que não aproveitei o quanto deveria, fico imensamente feliz por ter vivido tantos momentos especiais. Aqueles que nada além das nossas memórias registram, mas que deixam marcas e feridas eternas em nós.

Compreendo que o que passou não possa voltar. Talvez quem inventou esse mundo tão dinâmico tenha razão, que chato seria se pudéssemos retornar e colocar cada palavra dita ou ocultada no seu devido lugar. Por outro lado, que ruim aprender com nossos erros e não pôr logo em pratica as lições.

Não quero só olhar para trás e lembrar com carinho de tudo que vivi. Quero rir de cada situação patética, doce, vergonhosa, alegre e até triste. Porém, sem deixar nenhuma vivência pela metade. Não quero pensar no que poderia ter sido e ficou inacabado. Da certeza de que nada pode ser igual, resta-nos apenas o consolo de que tudo que está por vir pode ser ainda melhor do que o que um dia foi.

Nesse universo de constantes transformações a única garantia que posso dar é a de que eu sou o que sou. Meu caráter, minha personalidade, meus sentimentos não vão mudar jamais. Portanto, se você me aceita e ama desse jeitinho estabanado, criança, louquinho e carinhoso de ser, isso será para sempre. Eu sei. 



Hoje, contudo, estou vivendo momentos de expectativa e um tanto ansiosa. Problemas que jamais pensei em ter novamente, voltaram com toda força. Vivo dias de questionamentos. As incertezas da mudança ou do que na verdade nunca mudou rodeiam minha mente e me torturam. Porém, prefiro me manter em silêncio guardando apenas para mim os meus sentimentos EXAGERADOS como algumas pessoas insistem em dizer. Que eu seja sempre essa Ana EXAGERADA que inventa sintomas, aumenta diagnósticos e vive como muita gente não sabe viver. Eu tenho orgulho de ser assim, exatamente assim como sou. 

14 junho 2016

Cuidar da Alma...

Duas semanas. Estarei longeee... de tudo, de todos... no meu refúgio.
 As vezes é preciso. Já estava com saudade. Sempre confiante, largando tudo nas mãos de Deus... e lá, esquecemos do mundo aqui de fora... 
Lá, podemos sentir dor, chorar... se abrir, pois sempre tem uma mão amiga disposta a dizer: eu te entendo. 

A caminhada não é fácil... mas lá, parece que tudo fica mais leve e menos difícil.

CAPC, meu lugar de entregar tudo à Deus e aos mestres de Luz


Não há dificuldade que o amor não vença;

Doença que o amor não cure;
Porta que o amor não abra;
Obstáculo que o amor não transponha;
Muralha que o amor não derrube,
Pecado que o amor não redima...

-Emmet Fox



O amor transforma, harmoniza a impede a doença. Ninguém precisa morrer só porque está doente. 
É com a proposta de também oferecer um processo terapêutico COMPLEMENTAR ao tratamento clínico, objetivando ajudar o paciente no processo de tornar-se saudável, acessando níveis mais profundos da consciência, que o CAPC (Centro de Apoio ao Paciente com Câncer E DOENÇAS DEGENERATIVAS) foi criado.
O que é o Centro de Apoio ao Paciente com Câncer?
O Centro de Apoio é uma instituição filantrópica, de utilidade pública, criada com objetivo de cuidar, apoiar e auxiliar as pessoas com câncer e outras doenças degenerativas a enfrentarem o problema.

Qual a filosofia do CAPC?
“A alegria é a prerrogativa da alma alimentada pelo amor”.
Essa é a filosofia do Centro de Apoio, que, aliando conhecimentos biológicos, psicológicos e espirituais, cuida das pessoas com câncer ajudando-as a conseguirem a paz e a harmonia necessárias para a recuperação do seu estado de saúde e da sua qualidade de vida. Por isso, o Centro de Apoio ensina que, mesmo estando doente, é possível retomar ao equilíbrio emocional e espiritual. Portanto, o paciente deve aprender a entender a mensagem do seu corpo e perceber que é preciso muito mais que o tratamento médico.
O Centro de Apoio acredita que a atenção dispensada em forma de cuidado valorize o ser humano resgatando a sua identidade e fazendo com que as pessoas recuperem o propósito de lutar pela vida. Os conhecimentos necessários para isso, em nível biológico, psicológico a espiritual, são aplicados através de diversas terapias energéticas, complementares ao tratamento médico. O objetivo dessas terapias é fazer com que o paciente retorne ao estado de bem estar e de equilíbrio. Dessa forma, ele terá um estado vibratório energético favorável à ação dos medicamentos e dos tratamentos clínicos. O paciente aprende a descobrir suas potencialidades de cura, suas possibilidades e seus direitos como cliente. É um retorno ao seu processo interior, potencializado através da energia do amor universal e incondicional, do processo de fé em seu próprio poder pessoal. É o desenvolvimento daquilo que ele tem de melhor, da fé e da esperança necessárias para propiciar que a natureza possa, desta forma, contribuir para a harmonização e para o equilíbrio necessário ao retomo do seu estado de saúde e de qualidade de vida.

Dessa forma, no período de 25 de junho à 02 de julho ficarei internada recebendo todas essas chuvas de bênçãos e apoio que necessito para encarar os recentes ( porém velhos) problemas da minha saúde. Talvez , para mim, ainda seja difícil entender o por que de ter que passar por tudo isso novamente. Não sei o que acontecerá. Mas sei que minha Fé, Esperança bem como meu espírito voltarão mais fortalecidos do CAPC. 

'ENTREGUE SUA VIDA NAS MÃOS DE DEUS, CONFIA NELE, E O MAIS ELE FARÁ.' 

QUE ASSIM SEJA!!!! 



10 junho 2016

O amor faz a diferença :)

Texto escrito em 05 de junho de 2016
O amor deve ser propagado. Mas o amor verdadeiro, infelizmente poucos conhecem. 
Viver um amor assim não é ficar o tempo todo cheio de sorrisos e beijinhos. Temos nossos desentendimentos, nossos momentos de exaustão, até hoje e muito cansaço. Já ficamos ‘confinados’ em meu quarto por dias seguidos, já ficamos dias longe um do outro por conta do meu tratamento. Ele já abriu mão de estar com amigos e "aproveitando a vida" pra estar ali, cuidando de mim. Nem que fosse pra ficar quietinho me velando e a postos caso eu precisasse.
Às vezes você se pergunta: é amor ou piedade? Mas você sabe quando ainda é amor.
Já mandei ele embora, disse pra ele viver a vida dele e me deixar. Já brigamos muito por me sentir culpada por ver a dedicação dele. Já disse que preferia morrer do que ver ele sentindo pena de mim. Também já pedi pra ele ir em busca de uma mulher que pudesse completar ele e lhe dar uma vida normal.
Mas tem aqueles momentos que mesmo tendo toda a fé do mundo você se sente perdida. Sente um aperto no coração. Sente um medo devastador, por exemplo quando se espera um resultado de um exame, e tudo que eu peço pra ele é um abraço apertado. E ele já sabe o que dizer pra mim: "Vai ficar tudo bem! Eu tô aqui, e tudo vai passar!" E pronto! eu me sinto como um pintinho protegido no ninho. 
E assim ficamos fortes novamente pra próxima batalha. E são tantas...
Meu namorado não se importa com minha ‘exposição’ com a doença nas redes sociais e me apoia a divulgar ela para as pessoas que não sabem a verdadeira realidade de uma paciente com Lúpus.
A vida de um casal onde um dos dois tem uma doença grave não é nada fácil.
Fácil é escrever nas fotos: "Que lindo!", é jurar "Na saúde e na doença! " mas vivenciar isso é muito difícil. Isso não é paixão. Isso não é piedade, isso é AMOR. 
Obrigada por me amar, Príncipe! 
Espero que essa temporada de exames e dores passe logo e em breve poderemos ter nossa vida mais ou menos ‘normal’ de novo!!  rsrsrsrs!

Nada de Castelo e Cavalo Branco. 

A sua mão junto da minha basta.



 10 de Junho de 2016

Há poucos dias esmoreci. Complicações de saúde do passado retornaram ao meu corpo; com a diferença de que ATUALMENTE SE SOMAM a outros problemas surgidos após aquela época.
CHORAR, DORMIR, ESQUECER, NÃO VER E NEM FALAR COM NINGUÉM É O QUE EU QUERO. 
Mas meu namorado chega, me dá um afago, e diz que tudo vai passar. Não me pede nada, mas está presente ao meu lado e me ampara. 
Não quero prendê-lo, nem deixá-lo angustiado ao meu lado. Mas, novamente ele diz: 
"Você faz parte da minha vida. Sem você sinto um vazio, e perco a razão de programar meu hoje, meu agora. Deixa-me estar contigo, pensar em ti e programar nosso dia pensando em NÓS dois. Isso me completa Ana, e dá razão ao meu viver". 

Obrigada, Jonas, por ser quem você é, e por fazer parte da minha vida...
Eu te amo muito!!!!
Feliz dia dos Namorados... 

1 Coríntios 13:4-7 
"O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta."

08 junho 2016

Eu, Deus e a Vida


Já escureceu, o sol se pôs e eu já apaguei o que eu escrevi umas 3 vezes. 
Já chorei, reclamei, esperneei e depois de fazer uma reflexão com a minha mãe o choro continuou mas foi por outro motivo. 
Estava aqui reclamando das minhas limitações e de quanto o Lúpus foi cruel na minha vida. O quanto eu perdi. Quantos sonhos ja me foram roubados. Quantas mudanças... Reclamei por todas as vezes que eu sonho e planejo algo e o Lúpus vem e fala um NÃO bem grande na minha cara. Me faz lembrar que eu NÃO posso isso e aquilo. Me faz lembrar que eu não vou nunca mais ser quem eu era. Que minha vida jamais será como antes. Me olho no espelho e penso: Meu Deus...quanta coisa mudou! Quantas coisas o Senhor permitiu que acontecesse. Chorei reclamando que só queria minha vida normal. Chorei pensando que de repente com 31 anos eu já teria pelo menos um filho e minha rotina se resumiria em trabalhar e manter minha casa em ordem.

Chorei mais ainda por saber que problemas que jamais pensei em ter novamente, voltaram mais cruelmente, mais confusos tirando minha vida e minha luta totalmente do eixo. Chorei por não achar justo tanta reviravolta na minha vida. Chorei por ver minha mãe chorando e correndo pra reorganizar toda minha agenda e adiantar todos meus médicos e exames, pois um dia a mais é um dia a menos. 


Mas depois de 5 minutos de conversa com minha mãe eu chorei mais ainda. Porque enquanto chorava me lamentando como a vida foi cruel comigo. Como foi também com Jó, (Deus permitiu que ele perdesse tudo e Jó não entendia o porquê de tudo aquilo ter acontecido a ele), minha mãe me lembrou como está sendo ingrata. 
Chorei perguntando a Deus por quê. Por quê eu perdi tanta coisa. Por que os médicos dizem que eu não posso mais engravidar, por que me sinto tão sozinha as vezes... 
Mas agora me envergonhei e chorei pedindo perdão a Deus. Porque mais uma vez lembrei de como Deus foi bom pra mim. De que tem gente que está há mais de ano sem um tratamento correto e perdendo as esperanças de ter uma vida razoável. Quantas coisas eu ainda tenho que mudar! É que no início da doença o caminho é largo e muitas pessoas te dão a mão. E agora o caminho é tão estreito que só há espaço pra dois: Deus e você. 
Mais ninguém! E quando eu tô ficando cansada (pois eu estou) Deus me puxa pela mão e diz: "Vem! Os meus planos pra você ainda não terminaram! " .

Eu preciso acreditar que Deus quer me usar pra algo muito maior. 
Preciso acreditar que só Ele é meu consolo. 
Hoje estou como Jó. Só hoje! Só hoje o choro, a lágrima, os questionamentos. Amanhã com a permissão de Deus eu volto a ser como José. Tendo a certeza que fui usada pra que muitas vidas fossem salvas.


A vida pode estar sendo cruel comigo, não me dando as tantas coisas que eu pedi. Mas Deus foi maravilhoso e peço perdão por esquecer dos Teus feitos. Dos teus milagres. Um relacionamento seja com qualquer pessoa é difícil. Requer esforço, persistência e força de vontade. Com Deus é do mesmo jeito. Todos os dias cabe a mim buscar mais Dele. Querer estar mais perto Dele. Porque só Ele pode trazer a paz que eu preciso. 
E você? A vida tirou o que de você? E quantas coisas Deus já fez por você. Você pode ser Jó um dia, mas tente ser mais José. É isso que Deus espera de mim. É isso que Ele espera de você também!

Posto essa foto tirada há um ano atrás, com meu novo amiguinho Frajola. Ele apareceu na minha casa, apavorado, com fome, sede... e o pior teve seu rabinho arrancado. Crueldade também não? E mais uma vez me pergunto e me respondo: Por que? Porque sim. O Frajola é um gatinho muito dócil, carinhoso, educado. A vida pode até ter tirado algo muito precioso dele, mas Deus deu a chance de ele encontrar um lar, onde teve todos os cuidados e agora é o mais novo membro da minha grande família animal!! Sou muito feliz por ter todos eles... as vezes um animalzinho tem mais sentimento, e é mais carinhoso do que um ser humano. 




E hoje, posto uma foto do tão amado Frajola que superou todos os momentos de dificuldades, passou por cirurgias, e está um GATÃO muito carinhoso, experto, com o pêlo sedoso e um olhar de eterna gratidão à nós que o amamos e cuidamos dele. 

Ana Paula G. Heinze- 01/06/2017

06 junho 2016

~Eu não acordo pedindo que Deus resolva meus problemas, eu desperto pedindo que Ele me dê forças e abençoe meu dia para que eu saiba lidar com qualquer adversidade que apareça.
Eu acordo é com fé!

E foi assim que acordei hoje. Com minha coragem e minha fé, pedindo a Deus pra iluminar meu caminho e me dar as forças necessárias para superar mais uma semana, mais exames chatos e complicados, mais dúvidas , dúvidas e dúvidas. Me questiono até quando minha vida vai ser assim? A corrida não para. A cada exame feito alguma surpresa desagradável. Claro, como os exames são muitos, não vou dizer que toooodos dão alterados, alguns com a graça de Deus estão certinhos e quanto à isso, sou muito grata. Mas cansa, sabe? Cansa essa corrida contra a vida, contra os dias, as horas. Cansa não ter as respostas tão solicitadas. Não quero reclamar. Só quero dizer que a minha vida está longe de ser essa bela pintura emoldurada no quadro da sua sala. Eu sofro, sinto dores, não consigo comer, sinto medo, frio, calor. Tenho sentimentos esgotados aqui dentro. E o que mais me entristece é ver que mesmo sabendo, presenciando e vivendo perto de mim, ainda há pessoas capazes de achar que não tenho nada, invento os sintomas, invento minhas dores, meus pânicos, meu choro... Tem sim!!! E sei que de uma maneira ou de outra todas vocês, amigas lúpicas sofrem com esse descaso perto de vocês: família, amigos... ... 

E o que fazer? 
Não sei. Sinceramente, estou aprendendo a filtrar meus sentimentos. A calar-me. A ouvir e deixar passar. Claro, vou guardar o sentimento numa gavetinha do meu coração pra quando eu estiver sozinha a noite em meu quarto poder chorar. Chorar a minha dor, a minha tristeza, a desilusão. Mas são alguns minutos!!! Depois disso, respiro fundo e recomeço. Eu me reinvento a cada novo amanhecer!!! E agradeço por acordar, mesmo com meus problemas pois sei que tenho a melhor companhia: Deus!!!! 
Amanhã, 07 de Junho, farei uma endoscopia digestiva alta, sendo necessária uma anestesia geral. Conforme consulta que tive com meu gastro achamos necessário fazer esse exame pra tirar dúvidas sobre os acontecimentos repetitivos de vômitos e dores abdominais. Espero que bom ou ruim, o resultado seja descoberto, para um tratamento certo. 

Enfim, a FÉ move montanhas, é eu vivo dela... 

01 junho 2016

Então já é Junho

Esperei tanto para ver se as coisas, enfim, se ajeitavam…
Durante todo este tempo, sim, eu acredito que fiz o melhor que pude. Não fiquei parada. Não esperei as coisas caírem do céu. Me esforcei, me espelhei nos melhores exemplos que tinha, procurei mudar minhas atitudes… mas, mesmo assim, parece que nem tudo se encaixou – como a minha esperança, lá no fundo, acreditava que se encaixaria. Estava faltando um toque final, um motivo para o meu riso abrir solto e tranquilo, sem ligar para mais nada neste mundo.
Agora me surpreendo ao ver que, sim, ainda falta.
E por quê? Por um breve instante, de cabeça quente, a minha vontade é falar: “Sei lá! Cansei, viu? Chega disso tudo, não é culpa minha.” Mas, ora, se não é minha, de quem mais é?

Não posso ser tola e começar a culpar tudo ao meu redor. Só eu sei das minhas batalhas, logo, não dá para colocar uma venda nos olhos e deixar que o fluxo me leve adiante. Se fizer isso, quando eu finalmente retirar a tal venda, verei que não estou onde gostaria de estar.
Por mais que aqui dentro exista a esperança da mudança, da minha cura ( da nossa),  a atitude, a força de vontade e muitas outras coisas, todas focadas para que tudo dê certo, acho que algo me escapou:
Ainda falta coragem.
Não aquele tipo de coragem que nos liberta e nos ajuda a pular do precipício sem nos preocuparmos com o que virá depois, nem aquela que faz com que alguns assistam aos piores filmes de terror, sozinhos e com as luzes apagadas. Continuo com estes temores. Prefiro não saltar. Prefiro o abajur ligado e a companhia das mãos apertadas nos momentos em que o grave toca e o susto chega.

O que falta mesmo é aquela coragem que me permite encher o peito e encarar o mundo.
Encarar o fracasso, encarar a ferida,encarar as dores,  encarar o gosto do remédio e a recuperação. Olhar bem na cara dos primeiros passos (e lá vamos nós novamente!) e do velho caminho e tentar fazer tudo diferente. Ou continuar acreditando que tudo está melhorando. 
Quero aceitar com tranquilidade o fato de que aqui estou mais uma vez – e não há mal nenhum nisso tudo. Preciso entender que não dá para esperar a ajuda de todos o tempo inteiro e que tudo tem o seu lado bom e o seu lado ruim. Afinal, as coisas podem, sim, dar errado. E eu posso e devo lidar com isso. Tenho que fazer com que as pessoas que mais amo também saibam lidar, e principalmente saibam que não sou aquela menininha tola que não enxerga que as coisas não estão tão bem. Temos que encarar.
Encarar, encarar e encarar.
Mesmo que, na minha frente, não exista uma visão tão bonita, a coragem me dará confiança e determinação. Vai ter força. Vai ter valentia. Vai ter tentativa ( e muitas), vai ter decepção, medo e vontade de desistir.E eu vou encarar. 
Com mais um mês começando agora, é só isso que espero conseguir e, com todas as forças que coloco nestas palavras, sei que dará certo. Porque meus olhos estarão cravados no futuro e, o meu peito, ficará aberto, cheio de coragem, ousando viver tudo aquilo que antes não vivi. Ousando aquele 1% de chance de dar certo essa vez. 
Ousando acreditar

Então venha JUNHO. Venha com suas surpresas, seus dias frios, seu aconchego.
Vou desde já me preparando pra todas as batalhas que você me colocar, e pretendo devagarinho no meu passo, vencer cada uma ao meu tempo.
#Lúpus #aprendendocomolupus #Junho #Confiança #Ousadia #SemMedo

Aprendendo com o Lúpus © Copyright 2015 - 2017. - Versão Lovely. Ilustração Angie Makes. - Original de Muryel de Oliveira. Tecnologia do Blogger.